Capítulo 11. Operação da impressora

Sumário

11.1. Fluxo de trabalho do sistema de impressão
11.2. Métodos e protocolos de conexão de impressoras
11.3. Instalação do software
11.4. Configuração da impressora
11.5. Configuração de aplicativos
11.6. Recursos especiais do SUSE Linux
11.7. Solução de problemas

CUPS é o sistema de impressão padrão do SUSE Linux. O CUPS é altamente orientado ao usuário. Em muitos casos, é compatível com LPRng ou pode ser adaptado com relativamente pouco esforço. O LPRng é incluído no SUSE Linux apenas por motivos de compatibilidade.

As impressoras podem ser distinguidas pela interface, como USB ou rede, e pela linguagem de impressão. Ao comprar uma impressora, verifique se a interface do equipamento é suportada pelo hardware e se a linguagem da impressora é adequada. As impressoras podem ser categorizadas com base em três classes de linguagem:

Impressoras PostScript

PostScript é a linguagem de impressora na qual a maior parte dos trabalhos de impressão Linux e Unix são gerados e processados pelo sistema de impressão interno. Essa linguagem já existe há bastante tempo e é muito eficiente. Se documentos PostScript puderem ser diretamente processados pela impressora e não precisarem ser convertidos em estágios adicionais do sistema de impressão, o número de origens de erro potenciais será reduzido. Como as impressoras PostScript estão sujeitas a custos de licenciamento substanciais, elas geralmente custam mais que as impressoras sem interpretador PostScript.

Impressora padrão (linguagens como PCL e ESC/P)

Embora essas linguagens de impressora tenham surgido há bastante tempo, ainda são usadas e sofrem constantes desenvolvimentos para se adaptarem aos novos recursos de impressoras. No caso de linguagens conhecidas, o sistema pode converter tarefas de impressão PostScript na respectiva linguagem de impressão com a ajuda do Ghostscript. Esse estágio de processamento é chamado de interpretação. As linguagens mais conhecidas são a PCL, mais usada pelas impressoras HP e seus clones, e a ESC/P, utilizada nas impressoras Epson. Geralmente, essas linguagens são suportadas no Linux e produzem um resultado de impressão satisfatório. Pode ocorrer de o Linux não conseguir lidar com algumas funções de impressoras muito novas e sofisticadas, já que os desenvolvedores do código-fonte aberto ainda estarão trabalhando nesses recursos. Além da HP, que desenvolve os drivers hpijs, nenhum outro fabricante cria ou disponibiliza drivers Linux aos distribuidores como licença de código-fonte aberto. A maior parte dessas impressoras está na faixa de preços intermediária.

Impressoras proprietárias (geralmente, impressoras GDI)

Em geral, apenas um ou vários drivers Windows estão disponíveis para impressoras proprietárias. Essas impressoras não aceitam nenhuma das linguagens de impressão comuns, e as que usam estão sujeitas a alteração quando uma nova edição de um modelo é lançada. Consulte a Seção 11.7.1, “Impressoras sem suporte de linguagem de impressora padrão” para obter mais informações.

Antes de comprar uma nova impressora, consulte as seguintes fontes para verificar a abrangência do suporte ao equipamento pretendido:

Os bancos de dados online sempre mostram o status de suporte Linux mais recente. No entanto, a distribuição do Linux só pode integrar os drivers disponíveis no momento da produção. Da mesma forma, uma impressora atualmente classificada como “perfeitamente suportada” poderá não apresentar esse status quando a próxima versão do SUSE Linux for lançada. Assim, os bancos de dados não indicarão necessariamente o status correto, mas apenas uma informação aproximada.


11.1. Fluxo de trabalho do sistema de impressão

O usuário cria uma tarefa de impressão. Essa tarefa consiste nos dados a serem impressos, além de informações para o spooler, como nome da impressora ou nome da fila de impressão e, opcionalmente, dados para o filtro, como opções específicas da impressora.

Existe uma fila de impressão dedicada para cada impressora. O spooler mantém a tarefa de impressão em fila até que a impressora desejada esteja pronta para receber dados. Uma vez pronta, o spooler envia os dados pelo filtro, tendo a impressora como back end.

O filtro converte os dados que o usuário deseja imprimir (ASCII, PostScript, PDF, JPEG etc.) em dados específicos de impressora (PostScript, PCL, ESC/P etc.). Os recursos da impressora são descritos nos arquivos PPD. O arquivo PPD contém opções da impressora com os parâmetros necessários para habilitá-los. O sistema de filtros verifica se as opções selecionadas pelo usuário foram habilitadas.

Se você usa uma impressora PostScript, o sistema de filtros converte os dados em PostScript específico da impressora. Isso não exige um driver de impressora. Se você usa uma impressora não-PostScript, o sistema de filtros converte os dados em dados específicos da impressora usando o Ghostscript. Isso exige um driver Ghostscript adequado à sua impressora. O back end recebe do filtro os dados específicos da impressora e os repassa a ela.